Marcelo Teixeira: ‘Ameaça aos jornalistas, blogueiros e à liberdade’

Passa o tempo, novos meios de comunicação surgem, a transparência nas relações coletivas está cada vez mais na ordem do dia, e a liberdade de expressão continua sob ameaça. Quando se pensa que a sociedade evoluiu, que ficaram para trás práticas indignas de épocas lamentáveis da história da humanidade, nos deparamos com situações inaceitáveis. Ainda hoje há quem ameace jornalista, intimide blogueiro, agride quem pensa de forma diversa. Intolerância e autoritarismo.

Não creio que se trate de sintoma da guinada à direita da política global. Provavelmente, a situação piore diante dessa onda conservadora, mas não é uma exclusividade. O ataque à independência e veiculação de informações ocorre desde sempre, em épocas distintas, no governo dos mais variados partidos, em todas as esferas. Ocorre que, antigamente a pressão política ou financeira facilmente avançava para a violência física. Talvez, atualmente a facilidade e a frequência não sejam a mesma, mas é triste saber que isso ainda ocorre.

O que assusta é, nos dias de hoje, ver político “dando de dedo” publicamente em jornalista, empresário organizando sufoco financeiro a revista, magistrado dando inserta em jornal por disponibilizar espaço a quem o critica e determinando condução coercitiva de blogueiro. Essas formas de repressão à livre manifestação culminam no absurdo da violência institucional, que, volta e meia, recrudesce no Brasil na medida em que há um pensamento amplamente dominante em relação à conjuntura política nacional. Opiniões contrárias são demonizadas.

Para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, o pensamento único – totalitário e resultante de vários fatores, entre eles, de forma mais recente, o chamado politicamente correto – é uma ameaça à liberdade de expressão. A ministra é defensora da capacidade de a imprensa regular a si própria, sem a necessidade de leis que possam restringir a liberdade de os veículos de comunicação informarem o cidadão sobre qualquer tema.

No aprofundamento do assunto, vale citar o diretor-executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira, que afirma que “a situação preocupante da imprensa no Brasil é reflexo direto da violência que se vê na sociedade como um todo, da influência de grupos de poder no interior e da ineficiência da polícia e da Justiça, que resultam na sensação de impunidade”.

Creio que seja legítimo estender aos blogueiros noticiosos (formados em Jornalismo ou não) o direito dos periodistas ao sigilo de fonte, pois o blog é um mecanismo de inclusão social e de liberdade de expressão. Além do mais, como diz o jornalista, mestre em Comunicação, e doutorando em Direitos Humanos, Raphael Tsavkko Garcia, o blogueiro “exerce uma função de interesse público, mesmo que apenas para uma pequena parte desse público (…)”. O difícil é fazer essa argumentação com quem se coloca acima do bem ou do mal, seja por conta de respaldo financeiro, corporativo, político ou jurídico.

Para praticar a liberdade de expressão, tanto jornalistas quanto blogueiros ou quem quer que seja, é preciso ter coragem e convicção, pois censura e perseguição são coisas de um passado bem presente.

 

*Marcelo Teixeira é jornalista e empresário do setor de comunicação corporativa

Compartilhe

Política e Mais

Informações sobre os bastidores da política em Araçatuba e Região e assuntos relevantes aos internautas, como economia, negócios, cultura, esportes, polícia e lazer.