Governo DILAFLOR ‘foge’ de explicar a TV falta de uniformes e materiais escolares para alunos da rede municipal de ensino

O questionamento não foi feito pelo Política e Mais, mas sim pela principal emissora de televisão que atua na cidade. O assunto em questão, é um daqueles sempre criticados na Câmara pela até então vereadora Edna Flor (PPS), hoje vice-prefeita: a falta de materiais escolares e uniformes para estudantes da rede municipal de ensino. Só que desta vez, nem ela; nem sua indicada para o cargo de secretária da Educação, Silvana de Souza e Souza, muito menos o prefeito Dilador Borges (PSDB), apareceram na televisão para explicar o que acontece, passados 108 dias de nova administração.

Em ampla reportagem, a TV TEM de Araçatuba mostrou no telejornal da emissora, em sua edição do meio dia, que pais e mais de alunos das 67 escolas da rede municipal de Araçatuba estão sofrendo e tendo que tirar dinheiro de outros compromissos familiares para garantir materiais escolares e uniformes aos alunos. Tudo isso porque a administração municipal não forneceu nem um nem outro este ano.

É o típico assunto que, quando é com outros gestores, é um prato cheio para se criticar. Porém, quando é com quem está no poder, quanto menos se falar, melhor. E foi justamente o que fez o governo de Araçatuba, este aí, que usou como bordão de campanha a frase “Araçatuba Merece Respeito”, mas que na prática, como mostrou a reportagem da TV TEM, apresenta os mesmos problemas de qualquer administração: se explicou minimamente por meio de nota da assessoria de imprensa municipal.

Nem Dilador, que está em viagem a São Paulo, nem a vice Edna Flor e muito menos a secretária da Educação aceitaram convite da emissora para falar, ao vivo, sobre os problemas mostrados na reportagem. A alegação dada foi de que os responsáveis pela Educação municipal participavam de um evento justamente na hora em que foi ao ar o telejornal.

JUSTIFICATIVAS

Sobre a falta de uniformes para os estudantes, a Prefeitura de Araçatuba informou à TV que eles não podem ser comprados com dinheiro do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) garantido pelo governo federal e que faz com que a Educação tenha o segundo maior orçamento num montante de R$ 532 milhões entre todas as pastas de governo da Prefeitura.

A alegação é de que os uniformes sempre foram fornecidos aos estudantes pela secretaria de Ação Social, que este ano está sem dinheiro para a compra de novos conjuntos. Já sobre os materiais, a explicação para a falta deles, apesar de a Educação ter R$ 171 milhões para gastar este ano, foi de que a licitação para compra, iniciada na gestão passada, foi concluída recentemente e que em 10 dias a Prefeitura começa a receber os materiais, mas sem precisar quando começarão a ser distribuídos aos alunos.

Respostas que, não à toa, levaram os apresentadores do telejornal e o repórter responsável por mostrar os problemas que atingem a Educação pública de Araçatuba, a classificá-las como pouco convincentes. Principalmente, porque o atual governo já está aí há 108 dias e dinheiro para a rede municipal de ensino é coisa que não falta.

Foi uma reportagem típica da “imprensa responsável” – como gosta de destacar o prefeito Dilador Borges quando tem oportunidade de atacar e diminuir o papel de sites e blogs que mostram as mazelas da gestão pública – que mostra simplesmente que o governo que está aí não é nem melhor nem pior que os que passaram ou que passarão pela administração de Araçatuba. Certamente, deixará sua marca na cidade, porém, terá de enfrentar a realidade dos problemas que atingem toda administração pública, sem tirar nem por.

O que talvez possa servir de reflexão para Dilador Borges e Edna Flor. Que ambos terão muito o que fazer se quiserem se diferenciar dos demais, até porque, na toada que conduzem a cidade, são iguais a todos os demais.

Compartilhe

Política e Mais

Informações sobre os bastidores da política em Araçatuba e Região e assuntos relevantes aos internautas, como economia, negócios, cultura, esportes, polícia e lazer.