Após atraso, empresa contratada pela Prefeitura de Araçatuba para limpar mais de 60 unidade escolares paga funcionários

Faxineiras e demais funcionários da empresa contratada pela Prefeitura de Araçatuba para executar os serviços de limpeza em 67 unidades escolares da rede municipal de ensino receberam nesta quinta-feira (23) os primeiros salários, que estavam atrasados. Somente nesta quarta-feira (22) a Prefeitura efetuou o repasse de recursos à terceirizada.

De acordo com os responsáveis pela Prime Soluções Empreendimentos Eireli, em Araçatuba, um total de 187 trabalhadores receberam salários atrasados. Com escritório no bairro Santana, o volume de trabalhadores gerou uma longa fila no bairro, o que causou especulação e até mesmo a divulgação de filmagem sensacionalista em redes sociais.

A atual responsável pela limpeza das escolas assumiu o lugar da Bolívia Comércio de Produtos de Limpeza, pertencente a pessoas ligadas ao coordenador regional do PSB, José Avelino Pereira. A empresa participou de licitação realizada pela Prefeitura e acabou perdendo duas no preço apresentado.

Por conta do esgotamento do prazo para assinatura e emissão de ordem de serviço do contrato com valor de R$ 8 milhões e duração de até cinco anos, a Prefeitura foi obrigada a fazer uma chamada emergencial, que também foi vencida pela Prime.

A Prefeitura ficou de realizar o pagamento apenas depois de um mês de execução desse contrato emergencial. No entanto, o dinheiro acabou chegando com mais tempo à empresa e, consequentemente, aos funcionários. “Nós tivemos que nos instalar em Araçatuba. Levamos um tempo para organizar escritório e cumprir as exigências da Prefeitura e da secretaria da Educação. Pedimos compreensão e estamos colocando a casa em ordem”, disse um dos representantes da empresa ao Política e Mais.

A Prime assumiu os serviços de limpeza em 2 de outubro e no dia 10 deste mês apresentou nota fiscal à Prefeitura, pela execução dos serviços realizados em 67 unidades escolares. A empresa, no entanto, afirma ter recebido da Prefeitura apenas nesta quarta-feira. “Tínhamos que ter recebido R$ 450 mil e nos foi repassado R$ 390 mil. A secretaria da Educação não nos informou formalmente por qual motivo foi retido este montante. Por questões como essa, temos que tratar a situação com muito cuidado. Não é apenas sair dizendo por aí que a empresa não pagou e ponto. Tem que se explicar a realidade do que aconteceu e vem acontecendo”, diz representante da empresa. “Mas tudo já está sendo resolvido e ganhará uma rotina de normalidade”.

Compartilhe